Nem todo mundo nasce sabendo o que vai ser quando crescer, e isso não é um problema!

Sabe quando você está beirando os 18 anos e parece que de um dia para o outro decidiram que você tem que “crescer”? É nessa hora que podemos nos dar bem ou fazer grandes m#@*&s. Eu ainda não sou mãe, mas sou filha e senti na pele um pouco dessa pressão numa fase onde o que a gente precisa são de itens como espaço, tempo e liberdade.

Dentre tantos assuntos que rondam nossa maioridade, acredito que o mais nocivo é o profissional. Nessa idade disseram que já temos que saber o que fazer, o que ser para o resto da vida. Rsrsrs… desculpem, não resisti a risada. É louvável quem consegue definir a carreira desde cedo, mas é super compreensível que você, aos 18 anos, muitas vezes tão reprimido e podado não saiba o que fazer com o excesso de mudanças e responsabilidades que  são atiradas no seu colo no fatídico aniversário.

Não, não acredito que já tenhamos que saber tudo. Eu não sabia. Só sabia que tinha uma certa facilidade para escrever e que era boa nas aulas de Educação Física, mas ainda não visualizava como estas “aptidões” poderiam se tornar rentáveis e satisfatórias. Sim, porque somos de uma geração que gosta de grana mas que também já subiu os andares de Maslow e precisamos estar felizes, realizados.

Aos 13 anos minha poesia foi escolhida para entrar no livro “Talentos” do Colégio Objetivo, onde eu cursava a 7a série. Acredito que foi por essas e outras que entenderam que eu deveria “seguir carreira”. O texto falava de um filho que sugeria pra mãe a compra de um terreno na Lua como fuga do planeta Terra. Aí vai um trechinho…
“Nas ruas lotadas
A criança pergunta:
-Mãe, q tal um terreno na Lua?
A mãe sem jeito fica calada.
Seria uma boa ideia
Para o nosso povo guerreiro.
O mundo vai fazer uma assembleia,
Para decidir qual classe social vai primeiro.”
E aí, acham que eu levava jeito? 😉

No fundo, quando fiz 18 anos, eu queria 1 ano de “férias”. Por mais bacana que todos os meus períodos acadêmicos tivessem sido, eu não queria mais 4 de algo que eu ainda não tinha certeza e que mudaria minha vida para sempre. Mas mesmo consciente de que aquele ano deveria ser um ano de pausa para refletir, quem sabe procurar um psicólogo, fazer testes vocacionais, fazer um cursinho pré-vestibular, ou algo assim, um sentimento (mais dos outros do que meu) falou mais alto, o sentimento de “perder tempo”. Para pessoas mais próximas eu iria perder tempo, não os culpo e nem me culpo, não tivemos recursos para sair um pouco do ciclo moldado que se tornou nossa vida estudantil. Me rendi e acabei entrando na faculdade de Comunicação Social com ênfase em Jornalismo.

Hoje, aos 25 anos, depois de muito experimentar, entendi que algo que realmente me preenche é o fato de escrever e ser lida. De ideias soltas à peças de teatro, tenho rabiscado algumas coisas e sentido um arrepio gostoso ao imaginar que um dia posso escrever um livro. Graças ao “anjo da carreira desenfreada”, a faculdade de Jornalismo que cursei se encaixou nesta descoberta! (ufa!) Mas poderia não ter se encaixado e por mais que tudo seja aprendizado, 4 anos, são 4 ANOS, muito tempo e muito dinheiro caso você não passe em uma faculdade pública.

Entre correr riscos ou não, como filha, digo aos pais que observem, perguntem e sintam como andam as expectativas dos seus filhos e mais do que isso, estejam abertos a novas ideias! Nem sempre o que disseram ser o certo é o melhor, pois somos todos diferentes! (ainda bem) Parar um pouco e passar por um período de descoberta e reflexão de forma estruturada e amparada, por exemplo, pode ser a escolha mais correta e frutífera!

Ninguém precisar sair como um carro desgovernado só porque alguém disse que isso é o “normal”, cada um tem um ritmo, uma vivência e uma personalidade. Se você nasceu sabendo que seria um bombeiro, ótimo, se não, vá queimando o dedinho nas experiências até encontrar o caminho certo! 😉

Comentem e contem para mim como foi ou está sendo na vez de vocês!

Sâmela Silva, é uma brasileira, que de viagem em viagem, foi morar em Moçambique, África, onde o despertar pela escrita falou mais alto. Jornalista e Consultora em Gestão Empresarial, vem descobrindo o mundo e se descobrindo por meio de ideias rabiscadas nos bloquinhos virtuais.  LinkedIn | Twitter | Facebook | Blog “A grama da vizinha”

Anúncios

7 pensamentos sobre “Nem todo mundo nasce sabendo o que vai ser quando crescer, e isso não é um problema!

  1. perfeito, sam!!!! eu senti as mesmas coisas e compartilho da msm opiniao q vc….. como eu queria aos 18 ter tirado um ano de ferias…. mas o medo de ficar pra trás me fez fazer escolhas correndo… fazer escolhas do meu lugar no mundo, sendo q eu nem conhecia o mundo….. não me arrependo totalmente de ter cursado jô, pq conheci pessoas maravilhosas como vc, eh um curso q expande a sua mente de forma absurda…. mas, eh como vc disse, sao 4 anos….. e mto dinheiro….

  2. Sâmela, seu texto me fez voltar alguns anos e lembrar que eu senti coisas muito parecidas com o que você sentiu. Quando eu tinha uns 13, 14 anos, eu sonhava em ter 16. Não sei exatamente explicar o motivo, mas eu achava a coisa mais linda, parecia a época de alguma “transformação” na minha vida. Oras, mas com 16 anos eu ainda não poderia fazer muitas coisas. O “legal” seria 18 anos, não é mesmo?
    Cheguei aos 16, nenhuma transformação radical aconteceu! As coisas naturais da nossa evolução realmente aconteceram… comecei a namorar, trabalhar, controlar minhas finanças. Mas eu ainda não sabia exatamente qual área deveria seguir. Eu adorava as aulas de psicologia na escola, pensei seriamente em ser Psicóloga e levei isso a sério por mais de um ano. No terceiro colegial, cheguei à conclusão de que a melhor coisa seria me formar em Biologia. As aulas eram interessantes, o professor ajudava. Pronto, me imaginei bióloga por um certo tempo.
    Quando terminei o colégio, também achei super importante tirar férias por um ano e isso me fez amadurecer várias ideias. Entre estudos, pesquisas e testes vocacionais, eu sempre chegava ao curso de Comunicação. Nada específico, mas algo relacionado a área. Alguns amigos mais velhos estavam fazendo Publicidade e Propaganda e me venderam muito bem o curso. Somando o gosto pela área de comunicação + um curso que era bem falado, resolvi entrar no curso de Comunicação Social, que foi onde nos conhecemos. Foi paixão a primeira vista! Hoje percebo que escolhi a habilitação certa (Publicidade e Propaganda), eu amo trabalhar nessa área e tenho prazer em fazer parte de tudo o que a envolve. É loucura alguém achar que um adolescente deve ter certeza do que fazer! Como você escreveu, pode acontecer. Eu tenho uma amiga médica que sonhava com a profissão desde quando brincávamos de boneca. Acontece! Mas infelizmente alguns ainda sofrem pressões familiares ou sociais para decidir logo o que fazer da vida, sendo que muita coisa ainda pode acontecer!

    “Cada um tem um ritmo, uma vivência e uma personalidade”.

    Beijos!

    • Oi Amanda, que bacana ler seu depoimento! É incrível como em pouco tempo mudamos tanto de opinião, não é mesmo? Olha aí você entre Psicologia, Biologia e optando enfim por Publicidade! Que bom que você teve a oportunidade de refletir um pouco e de fazer testes e conversar com pessoas bacanas, tenho certeza que esse tipo de interação lhe ajudou a sentir hoje que fez a escolha certa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s